Continuação da greve estudantil

imagem de Gestão

Seguem as deliberações da Assembleia dos estudantes da Filosofia de 16 de novembro, com 101 estudantes:

- Continuidade da greve.
- Arrecadação de dinheiro para o fundo de greve, com venda de cerveja organizada pelo CAF.
- Indicativo para a assembleia geral: manutenção dos 5 eixos da greve com o acréscimo de um sexto eixo: por um novo modelo de estatuto que reveja a estrutura de poder na USP.
- Redação de um ofício a ser entregue para o departamento, exigindo a não validação das notas dos trabalhos já entregues, paralisação total das aulas e a não proposta de datas para entrega de outros trabalhos, fazendo legítima a deliberação coletiva por greve.

Comentários

imagem de pandugiha

101 estudantes representam o que?!

Intrigado com esta putaria que se tornou a FFLCH e com os seguidos emails recebidos pelo departamento fui até a secretaria e fiz a seguinte pergunta: Quantos são os alunos de graduação ligados ao departamento de filosofia?

Resposta: Por volta de 870.

Sendo assim os 101 alunos que se manifestaram em relação à esta tal greve representam notáveis 11,6%.

A mesma representatividade pífia que assumo estar relacionada aos demais cursos da FFLCH que não cansam de queimar o filme da instituição frente à opinião pública. Maconheiros e vagabundos são os novos adjetivos que nos estigmatizam frente à sociedade e que meus próprios familiares não se cansam de repetir. Sei que isso não tem nada a ver, mas o que os alunos fazem para mudar esta imagem?

Os 769 que não participam das tais reuniões no centro acadêmico querem manter distância de tudo isso por não se sentirem representados e, pior, sentirem vergonha das atitudes que são tomadas em nome deles. Aos outros 101 que vão com a maré aviso: não estamos sob ditadura militar, não existe uma perseguição sobre os alunos da USP e suas liberdades civis não serão restringidas. Peço que não acreditem no que certos alunos da USP que sabidamente são financiados por partidos políticos e sindicatos para tumultuar e criar um curral eleitoral dentro da universidade.

Por último peço encarecidamente: Se não têm algo útil para dizer, fiquem quietos pois muito faz quem não atrapalha e, deste modo, quem sabe, daqui a 17 anos, quando meu filho recém nascido tiver que optar por uma universidade não desconsidere a USP pela péssima mensagem que seus alunos passam para a sociedade.