Caderno de Resoluções do X Congresso dos Estudantes da USP

imagem de Centro Acadêmico de Filosofia

Segue em anexo o documento.

Pré-visualizarAnexoTamanho
caderno_de_resolucoes_congresso.pdf370.56 KB

Comentários

imagem de duanneribeiro

Discordâncias em: Conjuntura e Educação

Vou comentando aos poucos.

- Crise Econômica

A crise do subprime nos Estados Unidos e a atual crise econômica dos países da Europa tem raízes diferentes e não significam um esgotamento do capitalismo como afirmado. A rigor, a crise dos EUA só aconteceu porque regras do capitalismo não foram seguidas: foram cedidos empréstimos a pessoa com pouca capacidade de pagá-los - o que gerou um série de papéis podres que desencadeou a quebra dos bancos e etc. Apesar dos artigos anunciando o fim do capitalismo, ele segue sem mudanças. A crise na Europa, por sua vez, vem do estrangulamento das contas públicas por má gestão e por excesso de recursos gastos frente ao arrecadado. A crise na Grécia foi amenizada por hora por empréstimos de diversos países, isto é, ainda pelo sistema capitalista. Tudo somado, não sei como se pode dizer que há uma crise real do capitalismo, não sei se há como dizer que há um ataque dos "ricos" aos "pobres", e não sei que sistema econômico poderia ser posto no lugar desse e que faria desaparecer as dívidas desses países e fazer brotar recursos do ar. Não sei de nada disso, então como sustentar o que vocês "resolveram"?

---

- Imperalismo e Conjuntura Latinoamericana

A história do golpe de Honduras está mal contada. Zelaya não foi derrubado por um golpe militar como foi comum na América Latina, mas foi derrubado seguindo um preceito que existe na constituição hondurenha: não é permitido ao presidente fazer modificações quanto à reeleição. Ouvi dizer que há provas de que ele não tentou se aumentar seu tempo de governo; se houver, favor apresentar. De todo modo, no limite, por essa interpretação da constituição hondurenha, é legítimo que ele tenha sido retirado do poder; e, ao contrário do que vocês disseram, Porfirio foi eleito legitimamente, esse sem sombra de dúvidas, sem coação de nenhuma parte e sob a inspeção de organismos internacionais. Quando vocês dizem "resistências da população hondurenha", vocês não falam da totalidade da população. Há de se respeitar eleições, não?

Agora, quanto aos ataques do imperalismo à Bolívia e à Venezuela, favor me informar quais são.

Por outro lado, onde está o repúdio aos ataques de Cuba aos direitos humanos? Onde está o apoio a Yoani Sánchez, ao protestante que o governo cubano deixou morrer de fome? A seleção de temas desse primeiro trecho das resoluções, só por essas lacunas, demonstra ser muito ideologicamente marcada.