movimento estudantil e socialismo

imagem de Nelson

Colegas,

Para filosofar, uma paráfrase do Zaratustra:

Zaratustra foi sozinho a Universidade. Quando lá chegou, postou-se diante dele um jovem, que havia abandonado a casa de papai e mamãe, para iniciar a construção do socialismo científico. Assim falou o jovem a Zaratustra:
"Este andarilho não é estranho para mim. Há algum tempo passou por aqui. Ele se chamava Zaratustra, mas estava perdido."
"Naquela ocasião tu trazias teus livros para o campus: ainda queres levar tua sabedoria para os jovens? Não temes o nosso ardor revolucionário?"
"Sim, reconheço Zaratustra. Seus olhos são puros, e sua boca não mostra sinais de náusea. Não vem aqui como um dançarino?"
"Zaratustra está mudado, parece uma criança, mas já é adulto. O que queres tu entre os revolucionários?"
"No mar vivias tu na solidão, e o mar engoliu-te. Agora queres a terra firme? Estás disposto a sacrificar-te novamente?"
Zaratustra respondeu: "amo a humanidade."
"Por quê", respondeu o jovem, "vim para a universidade? Não é porque amava demais a humanidade?"
"Mas agora amo o socialismo. A sociedade burguesa é algo que me incomoda. O amor a sociedade burguesa poderia me destruir."
"Mas eu falo de amor", respondeu Zaratustra. "Trago um presente para a sociedade".
"Nada dês aos burgueses. Em vez disso, tome algo deles. Não tomam eles o que pertence aos proletários? O capitalismo é a exploração do homem pelo homem. O socialismo é o contrário."
"Se quiseres dar alguma coisa a eles, nada dês além de uma esmola. Pois é isso que os capitalistas dão ao proletariado, ao explorar a mais-valia: nada mais que uma esmola. Basta! É chegda a hora! Todo o poder para a classe operária!
"Não sou pobre o suficiente para dar esmolas", respondeu Zaratustra.
O jovem riu. "Tu és incrédulo! Ainda não tens ciência do estágio final e inexorável da humanidade, que é a sociedade sem classes. Nada sabes do materialismo histórico e dialético!"
"A burguesia nos teme" Sabe que somos a vanguarda revolucionária que vai implantar a ditadura do proletariado. Por isso abandonei meu lar burguês. Aqui, na universidade, estou entre iguais, meus companheiros da causa operária. A vitória será nossa!"
"E o que fazes aqui na universidade, caro jovem?", perguntou Zaratustra.
"Aqui lemos Marx, Engels, Lênin e nos preparamos para a revolução. Nossa tarefa é conquistar corações e mentes para nossa causa. Proletários de todo o mundo, uni-vos!
E tu, companheiro? Que fazes aqui? Una-te a nossa luta! Estou certo de que tens muito a nos dar!"
Quando Zaratustra ouviu essas palavras, cumprimentou o jovem e disse: "O que teria eu a dar? Deixa-me ir embora depressa, para que eu não tome aquilo que ainda tens!"
E assim se separaram o jovem e Zaratustra, rindo como duas crianças.
Quando Zaratustra achou-se sozinho, falou com seu coração: Mas será possível? Esses jovens ainda não ouviram em sua universidade que Marx já morreu?

Comentários

imagem de Nelson

zaratustra

Zaratustra não encontrou um garoto pobre, pois foi até ao último reduto do "socialismo real", onde a "vanguarda revolucionária" quer fazer a revolução socialista com a mesada do papai...

E é por isso que agora Zaratustra ri, ri, ri, sem parar...

imagem de Flavio

Zaratustra continua andando e

Zaratustra continua andando e cai de joelhos. Sente que sente náusea e que está melancólico.
Nisso vem um garoto pobre e pergunta: - O senhor esté bem?
Zaratustra responde: Não.
Garotinho: O que foi então?
Zaratustra: Onde estamos?
Garotinho: Não sei exatamente, mas não estamos vivos.
Essa fala sufocou Zaratustra, pois encontrara a única verdade em sua vida ilusória. Esse sufoco logo se tornou numa gargalhada sonora como de seu nascimento.