24/09/2012

Pautas:
-Eleições para diretoria da FFLCH;
-Divisão da FFLCH;
-Paridade no colegiado e nos concelhos;
-Avaliação do Movimento Estudantil;

Início: 18h15m, término: 19h30m

INFORMES GERAIS:

-Michel: 2º desfile do Cordão da Mentira: "Quando vai acabar o Genocídio Popular!"
29/09 - Concentração no Lgo. General Osório, 11h.O Cordão da Mentira é um bloco carnavalesco de intervenção estética que, de modo bem humorado e radical, versa e canta sobre temas cruciais para uma real transformação da sociedade brasileira. O nosso primeiro desfile teve como tema “Quando vai acabar a ditadura civil militar?” e juntou cerca de mil pessoas no 1o de abril, dia do golpe militar e dia da mentira.

O tema de nosso próximo desfile será "Quando irá acabar o genocídio popular?" O tema dispensa justificativas. Em meio à uma nova onda de chacinas na periferia paulistana, poucos meses após a barbárie de Pinheirinho, nos vemos instigados a responder estética e politicamente ao fascismo de Estado em que vivemos. Coincidentemente ou não, desfilaremos proximamente ao infeliz aniversário dos 20 anos do massacre do Carandiru.

-Caio: Ato, em 25/08, em frente à reitoria, pelas cotas na USP, 12h. Na próxima reunião do Conselho Universitário da USP, será discutida a Proposta que Cria o Programa de Ações Afirmativa da Universidade de São Paulo, elaborada pela Frente Pró-Cotas Raciais da USP para a implementação de um Sistema de Cotas Sócio-raciais na Universidade.

-Guilherme: Fórum Aberto Pela Democratização da USP convida a todos a comparecer no lançamento do livro "Retrato Calado", de autoria do professor Salinas Fortes, professor do Departamento de Filosofia duramente torturado durante a Ditadura Militar que neste livro relata suas prisões durante o período. Atividade da campanha Por uma Comissão da Verdade da USP.

-Mariana: Reunião pela decisão do nome do Jornal da Filosofia e edição da próxima tiragem, 26/09, quarta-feira, 18h, no CAF;

-Marcelo: Projeto "Semana de Filosofia e Política" aprovada em reunião do departamento, organização antes da reunião ordinária do CAF. Outra questão que seria debatida em reunião departamental: reprovações na disciplina do Carlos Alberto - as decisões serão tomadas futuramente no departamento e será provável pauta nas próximas reuniões!

-Bruno: Decisões no CO acerca da reforma no Regimento da Pós-Graduação a serem pauta nos próximos COs.

-Marcelo: Espaço Verde, reunião entre CAs que gerem o espaço (CAF e CeUPES) estagnadas.

INFORME AVALIATIVO:

-Maria: Processo eleitoral par diretor da FFLCH que começou na quinta-feira, 20/09, e terminou na segunda-feira, 24/09. Há muito vinha sendo discutido o processo eleitoral para escolha do novo diretor da FFLCH em CCAs semanais entre os CAs da nossa unidade, assim, o calendário pensado inicialmente para eleições de RDs representantes na Congregação da FFLCH pretendia eleger RDs antes do processo eleitoral. O calendário acabou se estendendo e as eleições de RDs ficaram para o começo de outubro (e as inscrições de chapas acabam no dia 28 - edital e convocação: http://www.fflch.usp.br/df/caf/informe/eleicao-de-rds). Não tivemos RDs eleitos a tempo de participarem das eleições em que s candidatos eram Sérgio Adorno, do dep. de Ciência Política, e Osvaldo Coggiola, do dep. de História. Portanto para o dia 20/09, dia do início do processo eleitoral, o CCA da FFLCH marcou um ato que problematizasse tanto o formato vertical de composição do Colegiado Eleitoral, quanto a candidatura do prof° Adorno, cuja suspeita de programa como diretor seria viabilizar a divisão do nosso conjunto didático em 3 unidades (posição que defendeu há 10 anos atrás em debates sobre a divisão da FFLCH). Dessa forma as pautas do ato seriam definidas com vistas nesse contexto: problematização acerca do formato não representativo do Colegiado da FFLCH, com a proposta de que seja paritário e divisão da unidade. Para organizar o ato, CCA da FFLCH marcou uma plenária ds estudantes da FFLCH, realizado no dia 17/09, segunda-feira da mesma semana. A plenária decidiu que não apoiaria nenhum dos dois candidatos, bem como deliberou vagamente sobre a não inviabilização do processo eleitoral, mas pediriam formalmente para a então diretora da FFLCH, Sandra Nitrini, a entrada e um estudantes de cada curso para acompanhar o processo eleitoral. No dia 20/09, o colegiado se reuniu no auditório da Geografia e o pedido de entrada de representantes é negado com o argumento de que os representantes não foram formalmente eleitos segundo o regimento no que versa sobre a representação discente nas congregações. Negado o pedido, os estudantes ocuparam o auditório e inviabilizaram o processo eleitoral. Se a reivindicação é por paridade no colegiado, a reivindicação teria que estar amarrada com reivindicação mais ampla de paridade entre os setores de docentes associados e doutores que não possuem representação paritária nos conselhos, dado que a maioria dos professores que compõem os conselhos são professores Titulares, e de paridade na representação de servidores não-docentes (funcionários), o que não foi articulado no Mov. Estudantil. Além disso, qualquer reivindicação sobre o formato vertical das Congregação não tem efeito prático ao ser exigido na Congregação da FFLCH, pois esta está subordinada ao Regimento Geral da USP, pois segue o modelo de Congregação ao qual todas as Unidades são obrigadas a seguir, portanto lutar contra o formato vertical da congregação é lutar contra Regimento Geral da USP, não contra a direção da nossa unidade didática.
Complemento do informe dado pelo Marcelo e pela Mariana:
Dada a inviabilização do processo na quinta-feira, o Colegiado é convocado para a continuação das eleições no ia 24/09, segunda-feira, e os CAs são chamados pela diretoria e pela comissão eleitoral para uma reunião de urgência, em que se pediu para os estudantes a não inviabilização das eleições na segunda-feira, com o argumento de que se não ocorre a escolha de diretoria em tempo determinado cria-se um vácuo jurídico que permite a reitoria intervir na direção da unidade. Os estudantes não garantiram com segurança que isso não poderia ocorrer e não se posicionaram em relação a isso, pois ainda não tinham feito suas reuniões ou assembleias de curso depois dos fatos ocorridos, mas se comprometeram a comparecer a um reunião após a escolha do novo diretor e eleições de RDs com a diretoria recém empossada, com indicativo de data para 11/10.
No dia 24, os estudantes voltaram em ato para a frente da reunião do Colegiado Eleitoral em que foi dada voz as estudantes antes do processo eleitoral continuar, o DCE leu uma carta na qual se posicionavam contra a divisão da FFLCH e propunha uma plenária entre os 3 setores para discutir o tema.
Apenas lembrando que professores da FFLCH escreveram notas comentando a ação dos estudantes durante a primeira reunião do Colegiado Eleitoral no dia 20/09.

Complemento do Bruno:
Comentou debates que ocorreram há poucos anos na FFLCH acerca da divisão da unidade em que professores do mesmo grupo político do candidato Sérgio Adorno se posicionavam a favor da divisão.

FALAS:

As falas discutiram tanto as problemáticas de divisão da FFLCH, quanto o fato de que nosso colegiado seja formado por maioria de de professores de titulares e além de não ser representativa a participação estudantil, não é representativa quanto à categoria de professores não-titulares e à categoria de funcionários.
Quanto à avaliação do movimento estudantil, presente na maioria das falas, pontuou-se o fato de que por mais que tenha havido falta de comunicação entre os setores do movimento e as pautas reivindicadas tenham uma profundidade a ser estudada para ações mais pontuais e mais propositivas articuladas entre as três categorias que compõem a Universidade, agora o importante será estudar bem as pautas de: divisão da FFLCH, com mesas de debates com professores e funcionários e com o estudo de materiais que falam sobre a divisão desde que surgiu como pauta da FFLCH há pelo menos 10 anos atrás (materiais que já estão em uma pasta do CAF na xerox do prédio de Filosofia); estrutura de poder na FFLCH e na USP, com mesas de debates sobre o assunto e fóruns de discussão entre as três categorias; processos contra os estudantes e funcionários, também com mesas de discussão e discussão nos fóruns do movimento.
Pontuou-se, na maioria das falas, o fato de que a violência contra as categorias estudantil e de funcionários vem tanto de professores autoritários quanto do espaço mínimo de decisão e voz é dado a essas categorias em conselhos e nas congregações.

DELIBERAÇÕES:

-Que os estudantes de Filosofia estão pela União dos saberes!

-Que sejam incluídos cm discussão na "Semana de Filosofia e Política" três debates:
Divisão da FFLCH;
Estrutura de poder na USP e na FFLCH;
Processos contra estudantes, professores e funcionários.

-Debate (com professores que defendem os dois lados) sobre os significados e as consequências de uma possível divisão da FFLCH, a ser pensado antes da "Semana de Filosofia e Política", se der tempo, se não houver tempo, o debate fica para a "Samana de Fil. e Política".

INDICATIVOS PARA A PLENÁRIA DA FFLCH, NA PRÓXIMA QUARTA-FEIRA, 26/09:

-Indicativo de debate unificado sobre a divisão da FFLCH, em outubro;

-Indicativo de plenária unificada da FFLCH, com a participação dos três setores com as pautas: Estrutura de poder na FFLCH; processos contra estudantes funcionários e professores; divisão da FFLCH. E que o CAF encaminhe a proposta para o Departamento de Filosofia e convide os professores e os funcionários do departamento para participarem dessa plenária.